Sorgo: uma alternativa para diversificação de culturas para o produtor rural

A Planta possui ampla adaptação às condições de clima e solo, e tolera mais o déficit hídrico do que a maioria dos cereais.

A cultura do sorgo, com sua longa história de uso na África e Ásia, vem ganhando destaque no cenário agrícola brasileiro como uma alternativa versátil e robusta. Cultivado em diversas partes do mundo, o sorgo se destaca por sua adaptabilidade a condições adversas, especialmente em regiões áridas e semiáridas, onde outros cereais podem enfrentar desafios, como restrições hídricas principalmente.

Com grande avanço na safra de 2023, o Sorgo deve se manter em alta na safra atual. De acordo com dados recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a estimativa da produção para 2024 é de 3,8 milhões de toneladas, indicando, ainda, uma forte evolução.

O sorgo se destaca pela sua capacidade de suportar o estresse hídrico, tornando-se uma opção para os produtores que buscam complementar a janela de cultivo do milho e estender sua safrinha com maior segurança. Além disso, o sorgo não é hospedeiro dos patógenos dos enfezamentos transmitidos pela cigarrinha do milho o que o torna uma ferramenta valiosa na redução do potencial de inóculo dessas doenças. 

Com um valor nutricional próximo ao do milho, estudos comprovam que o grão de sorgo pode ser utilizado em até 100% em substituição ao milho em dietas de aves, suínos e bovinos além de ser possível a produção de etanol a partir do grão, com resultados de rendimento (Litros/Ton) semelhantes ao do milho assim como rendimento e qualidade de seus coprodutos (DDG e WDG). 

“Acreditamos que o sorgo é uma opção estratégica para os produtores, pois a cultura oferece diversificação para o negócio e representa uma resposta sólida e rentável diante das intempéries climáticas, enfezamentos e oscilações de preços do milho”, afirma Élcio Marques, gerente de marketing nacional da Forseed. 

Além de ser uma escolha estratégica na diversificação das culturas, o sorgo proporciona segurança, rentabilidade e estabilidade ao produtor. 

Related Posts

  • All Post
  • Agricultura
  • Clima
  • Cooperativismo
  • Economia
  • Energia
  • Evento
  • Fruta
  • Hortaliças
  • Meio Ambiente
  • Mercado
  • Notícias
  • Opinião
  • Pecuária
  • Piscicultura
  • Sem categoria
  • Tecnologia

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer receber notícias do nosso Diário do Agro?
INSCREVA-SE

You have been successfully Subscribed! Ops! Something went wrong, please try again.

© 2024 Tempo de Safra – Diário do Agro

Hospedado e Desenvolvido por R4 Data Center